23 novembro 2012

O "relacionamento" dos dias de hoje !

De um relacionamento (aparentemente) sério para "solteira". Em questão de dias, novamente em um compromisso com: Fulaninho de Tal. Mil e uma declarações vazias, com frases de efeito e copiadas de algum blog por aí que deixe livre o cursor direito, ou mesmo daqueles sites que contém ditos famosos. Mesmo podendo deixar apenas uma mensagem singela de bom dia, combinada à
 um "eu te amo, tá?", por que não colocar no Mural, logo ali onde todo mundo pode ver, testemunhar e ser prova viva desse grande amor dos tempos modernos? A cada jantar fora, uma foto com o prato de cada um, com check-in no restaurante da moda e compartilhamento nas mais diversas redes em que todos estão presentes e poderão invejar esse romance dos sonhos.

Ou não. Assim como desconfio - e muito - de casal feliz demais fica uma pulga atrás da orelha toda vez que vejo grude, sufocamento, exposição excessiva do amor que, na teoria deveria ser praticado à dois. Nada mais na serena intimidade, como era antes dessas inovações todas atingirem em cheio o cotidiano. Não mais mensagens em SMS, safadas e cheias de detalhes que não satisfariam a curiosidade alheia, enviadas sob medida. Se não está ali no perfil quem é de quem, desde quando e com declaração de amor recente, minha amiga, a regra (ditada) é clara: ih, aí não tem muito amor, não. Quem ama, demonstra. Se o cara é apaixonado, vai fazer mil declarações por dia, vai colocar foto só sua, vai ter você junto na foto do perfil e excluir todas as mocinhas do passado negro. Mas, mas, será?

Casais que tem brigas homéricas via web e por telefone, e assim que fazem as pazes, ao invés de irem se encontrar pra dar um belo beijo que sele a paz entre os pombinhos, coloca foto junto e se declara mais um pouquinho, só pra vulgarizar e afirmar pra si e pro resto do mundo que tem amor ali sim, que são alegres quando em dupla, embora isso seja quase nunca.

Estranho casais que namoram rápido demais e logo partem para mudar o status, pois é só com isso que parecem se preocupar mesmo. Conhecer melhor o parceiro? Ver até onde existe compatibilidade? Saber se estar num relacionamento é esse mesmo o desejo? Que fique pra daqui algumas semanas ou meses, quando o sonho for pelo ralo, junto com algumas lágrimas de quem se recupera logo porque não foi tão profundo assim.

Fico feliz ao ver casais que gastam a companhia do outro com programas ao ar livre, viagens para pertinho, visitas a parques e praças sem posar para fotos que irão no mesmo instante estampar a timeline alheia, sem se preocupar em quantas pessoas curtiram ver o sorriso espalhado pelo rosto ou comentarão o local escolhido para a fotografia. Creio mais em românticos namorados que vão ao cinema, fogem do mundo nas horas vagas e preservam, tanto a si quanto ao outro e a felicidade do que vivem, simplesmente porque é construída na base sólida da desimportância quanto à opinião alheia e os costumes modernos tecnológicos. Casais que, ao invés de trocar a senha do perfil do Facebook, se enriquecem de segredos e experiências, permutados entre si. Confio no amor baixinho, desses sussurrados no pé do ouvido...






Camila Padim *

2 comentários:

  1. Eu também.
    Confio muito nesse amor. Simples e discreto.
    Grande abraço, em divina amizade.
    Sonia Guzzi

    ResponderExcluir

Meus pequenos deixem seu recadinho para mim .. ficarei muito feliz. :) ♥